Foi em um dos lugares mais inesperados possíveis. Sentada em uma mesa pequena de canto, com alguns guardanapos sujos e um chá gelado pela metade. Um banco estofado até confortável, mas que não melhorava nada a situação, parecendo mais que era de madeira. Mas foi ali mesmo, que expus algumas coisas que não imaginei que escutaria elas algum dia saindo da minha boca. E depois que elas saíram, parece que nem fui eu que coloquei para fora, e sim o momento que puxou todas elas, como uma corda de força que o lado mais fraco acabou perdendo.  
Porém no meu caso, não diria que sou o lado mais fraco, e que por isso mesmo que senti um pouco de mim à mostra. Na verdade eu não precisava e nunca precisei. Aprendi a engolir minhas próprias angústias e a deixá-las mortas em algum lugar escuro dentro de mim, porque sei que é impossível jogá-las fora. Geralmente nem as toco, mesmo sabendo que estão ali, mas nesse dia de guardanapos sujos na mesa foi preciso. Elas me serviram para te mostrar que não é só você que vive nas trevas, que não é só você que já sentiu ou sente medo. E como você, tudo isso está dentro de mim, só que a diferença é que eu não deixo tudo isso se apoderar de mim, porque esse é o meu corpo e de mais ninguém. 
Sinceramente, eu não sei muito bem se isso adiantou de alguma forma, e nunca poderia saber, se você não me contar algum dia. Só espero que eu não precise fazer isso outra vez ou pelo menos em um futuro próximo. Quase senti os escorrimentos vermelhos de novo, enquanto eu falava olhando para o guardanapo limpo que brincava com as mãos, como uma forma de distração sem efeito. E esse guardanapo todo amassado em minhas mãos, estava em um melhor estado do que o meu interior usualmente está. 
Foi aí que eu estava sentindo aquela mesa de canto cada vez menor, e o lugar em minha volta cada vez mais desconfortável, me fazendo ter que cortar essa corda que ainda estava tirando coisas de dentro de mim com os dentes, escurecer mais uma vez essa parte do meu corpo, amassar e jogar o guardanapo no lixo e me levantar para sair dali.  Mas só foi quando eu senti o ar gelado da noite de sábado entrando dentro de mim, que eu retornei ao o que eu era há algumas horas atrás. 
Compartilhar:
Comentários:

2012-2016 © MEUSDELIRIOS.COM - DIREITOS RESERVADOS.